quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Curso de Salvatagem (CBSP) e HUET com preços promocionais em Janeiro e Fevereiro de 2016 na COOMAR


Estão abertas, a partir desta segunda-feira 01 de fevereiro de 2016, às inscrições para os cursos de CBSP (antigo Salvatagem) e HUET (Treinamento de Escape de Aeronave Submersa) na COOMAR BRASIL em Aracaju - SE e Salvador-BA
Os interessados deverão se dirigir à base da COOMAR, situada à Avenida Beira Mar, dentro  no Iate Clube de Aracaju ou entrar em contato pelos fones: (79) 3214-9142 / 99135-0294 / 98824-5364 ou 4141-3763.
Para se inscrever os candidatos deverão ter, no mínimo, 18 anos e ensino fundamental completo. Estes cursos são importantes e exigidos pela Petrobras e todas as empresas Offshores do seguimento petrolífero.
Qualificação é uma exigência do mercado e devido a descoberta das grandes reservas de petróleo na costa sergipana, alagoana e baiana a demanda deve crescer gradativamente até 2035. 
Somente para o curso de salvatagem, estão sendo oferecidas a cada mês mais de 150 vagas e 100 para HUET. Outros cursos que a COOMAR está oferecendo para o Norte e Nordeste é o de homem de área, NR 10, NR 11, NR 12, NR 13, NR 20, NR 33, NR 35 e formação de Brigadas de Emergência Básica, Intermediária e Avançado, juntamente com Primeiros Socorros e Responsabilidade Social e em breve o EBCP – Curso Básico de Conscientização sobre Proteção de Navios para empresas.
 De acordo com o gerente comercial da COOMAR BRASIL, em Sergipe, Clodoaldo Santana, em torno de 18 mil pessoas fazem anualmente o CBSP e HUET, já os demais, segundo Normas Brasileiras, devem ser reciclados a cada ano. “O Curso de Salvatagem é um passaporte para o mercado offshore e não somente aqueles que trabalham em plataformas devem possuí-lo más, todos aqueles que de certo modo dão suporte a elas e a embarcações como Navios Sondas- NS, FPSOs e barcos de apoio logístico”, disse ele. Por atender às normas da IMO – Organização Marítima Internacional e a NORMAN nº 24 da Autoridade Marítima Brasileira os certificados da COOMAR são aceitos por empresas nacionais e Internacionais, tendo sua validade em cinco anos para o CBSP e em dois para o HUET.
Com o slogan “Venha pro mar...venha com a Coomar”, a empresa acreditou no potencial do Norte e Nordeste e hoje, forma profissionais de sucesso para atender todo Brasil. Contando com parceiros como a JJR – Serviços Marítimos e Portuários, CLASSE A – Centro de Treinamento de Emergências, PETROBRAS, ODFJELL, TEEKAY, CIS BRASIL, GLOBAL, SANSIN. NEWPARK, STARNORT, MH, JML, OCEANPACT, SINDIMAR,SCHLUMBERGER dentre outras, a empresa consolida a confiança e presteza de um bom atendimento somado com a  credibilidade na formação de exímios profissionais.
 Direto da redação.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Produção anual de petróleo no Brasil aumenta 4,6% e supera nossa meta de 2015

meta-2015-blog.png
No ano passado, a produção de petróleo que realizamos no Brasil superou a meta fixada para o período de acordo com o Plano de Negócios e Gestão pela primeira vez nos últimos 13 anos. A marca de 2,128 milhões de barris por dia (bpd) atingida no período representa alta de 4,6% diante do resultado do ano anterior e 0,15% acima dos 2,125 milhões previstos em nosso plano de negócios.
A média anual da produção operada na camada pré-sal em 2015 também foi a maior da nossa história, atingindo uma média de 767 mil barris por dia, superando a produção de 2014 em 56%.
Se considerada também a extração de gás natural, que cresceu 9,8% diante do ano anterior, a produção total chega a 2,6 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed) - 5,5% maior que os 2,46 milhões boed de 2014.
Para nosso presidente, Aldemir Bendine, “o resultado é importante por demonstrar a grande capacidade operacional da empresa, mesmo em um cenário global adverso para o setor de óleo e gás, e por reiterar, diante do mercado, a previsibilidade e a transparência dos rumos da companhia”. Bendine destaca que “o resultado reforça a convicção pelo caminho de priorizar os investimentos com capacidade efetiva de gerar resultado para a companhia, com prioridade absoluta para os projetos de exploração e produção”.
O rápido crescimento da produção da plataforma P-58, que opera no complexo do Parque das Baleias, na porção capixaba da Bacia de Campos, e do FPSO Cidade de Mangaratiba, no pré-sal da Bacia de Santos, foram alguns dos principais destaques na expansão da produção no ano passado. Além destes, houve a antecipação – de novembro para julho – do início da operação do FPSO Cidade de Itaguaí, na Bacia de Santos.
“Temos consolidado nossa excelência na exploração em águas profundas e ultraprofundas. Em 2015, conseguimos conciliar o avanço tecnológico com a redução dos nossos custos operacionais, o que nos levou à marca de custo de extração de oito dólares por barril nos campos do pré-sal no terceiro trimestre”, avalia Solange Guedes, diretora de Exploração e Produção.
O desempenho satisfatório das demais frentes de produção também teve papel decisivo no atingimento da meta de 2015. No ano passado, a produção do campo de Marlim, na Bacia de Campos, se estabilizou acima dos 200 mil bpd, e o Campo de Roncador chegou ao seu pico ao superar a barreira dos 400 mil bpd.
Produção de óleo e gás no exterior em 2015
No exterior, a produção média de petróleo em 2015 foi de 99 mil bpd, 14,4% abaixo dos 116 mil bpd no ano anterior. Essa redução ocorreu, principalmente, em função da conclusão da venda de ativos na Colômbia e no Peru, ainda em 2014, e na Argentina, em março de 2015. Estas operações tiveram seus efeitos parcialmente compensados pela entrada em produção dos campos de Saint Malo (dezembro/2014) e Lucius (janeiro/2015), nos Estados Unidos.
Já a produção média de gás natural no exterior ficou em 15,4 milhões m³/d - 3,1% abaixo dos 15,9 milhões m³/d de 2014. No período, foram concluídas as transferências de unidades no Peru e na Argentina e houve entrada em operação do campo de Hadrian South, em março de 2015, nos Estados Unidos, e dos novos poços em Rio Neuquén, na Argentina. Com isso, foram 190 mil boed - 9,4% menos que os 209 mil boed de 2014 no exterior. 
Consolidando as produções no Brasil e exterior, também alcançamos dois novos recordes históricos: nossa produção total de petróleo em 2015 foi de 2,23 milhões bpd, 3,6% superior à de 2014 (2,15 milhões bpd), enquanto a produção total de óleo e gás foi de 2,79 milhões boed, um crescimento de 4,3% frente à do ano anterior (2,67 milhões boed).
Produção de óleo e gás em dezembro
A produção média de petróleo no Brasil em dezembro de 2015 foi de 2,18 bpd - 5,2% acima do mês anterior. Já para o gás, a alta foi de 6,9%, chegando a 76,7 milhões m³/dia. A nossa produção de petróleo e gás natural no Brasil, em dezembro, foi de 2,66 milhões boed, ou 5,5% maior do que a registrada em novembro (2,52 milhões boed).
A produção de petróleo que operamos na camada pré-sal, em dezembro, alcançou o novo recorde mensal de 874 mil bpd, com crescimento de 6,6% em relação à produção de novembro, que foi de 820 mil bpd.
Já a produção de petróleo e gás natural operada na camada pré-sal se manteve acima do patamar de 1 milhão de boed e também representa um recorde mensal, atingindo 1,090 milhão boed, volume 6,6% superior a novembro (1,023 milhão boed).

No exterior, a produção média de petróleo em dezembro foi de 96 mil bpd, em linha com o volume produzido no mês anterior.
A produção média de gás natural foi de 16,2 milhões m³/d, 1,4% acima dos 16,0 milhões m³/d no mês anterior, principalmente em decorrência da maior produção em Punta Rosada, no campo de Rio Neuquén, na Argentina.
Com isso, no mês de dezembro foram produzidos, no exterior, 192 mil boed, 1,0% acima dos 190 mil boed no mês de novembro.
Fonte: PETROBRAS>COM

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Produção de petróleo e gás cresce em outubro e ainda é menor que 2014

Sergipe produziu 1,06 milhão de barris de petróleo em outubro.
Em comparação ao mesmo período de 2014, houve uma queda de 17,2%.


11/12/2015 17h25 - Atualizado em 11/12/2015 17h25

Produção de petróleo e gás cresce em outubro e ainda é menor que 2014

Sergipe produziu 1,06 milhão de barris de petróleo em outubro.
Em comparação ao mesmo período de 2014, houve uma queda de 17,2%.

Do G1 SE
A produção de petróleo no estado de Sergipe foi de 1,06 milhão de barris em outubro, o que representa um crescimento de 3,4% em relação ao mês anterior. Já em comparação ao mesmo período de 2014, houve uma queda de 17,2%.
De acordo com o Boletim Sergipe Econômico, Sergipe produziu este ano até outubro, o pouco mais de 10 milhões de barris, o que representa uma redução de 17,8% em relação à produção do mesmo período de 2014.

A produção em terra foi de 389 mil barris equivalentes de petróleo (bep) e respondeu por 77,2% do total, enquanto que a produção marítima, com 241 mil bep, respondeu pelos 22,8% restantes.
Esses dados foram apurados pelo Boletim Sergipe Econômico em parceria com o Núcleo de Informações Econômicas da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e o Departamento de Economia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), com base nos números informados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
Gás Natural

A produção de gás natural somou 407.237 bep no mês de outubro. No comparativo anual, a produção de gás natural caiu 25,8%. Na análise mensal (setembro/2015), o setor apresenta sinais de recuperação, com alta de 16,7% na produção.
O total produzido, de janeiro a outubro desse ano, situou-se em 4,5 milhões de barris, estando 17,6% menor que o produzido no mesmo período de 2014. Os campos marítimos produziram 360 mil bep, respondendo por 88,5% da produção total, enquanto a produção em terra, com 46,9 mil bep, respondeu por 11,5% do total.
*Com informações da FIES

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Tudo iniciou em Sergipe

Se hoje somos considerados referência em exploração e produção de petróleo em águas profundas e ultraprofundas, devemos muito à equipe pioneira do campo de Guaricema. Nele testamos as primeiras tecnologias voltadas para os campos marítimos.
Foi no campo de Guaricema que produzimos pela primeira vez na plataforma continental, em 1968.
Outro destaque é o campo de Carmópolis, o maior em volume de reservas do país e o primeiro descoberto na bacia sedimentar de Sergipe-Alagoas, em 1963.
Em 2007, o campo de Piranema começou a produzir. Ele marcou uma nova fronteira para o Nordeste brasileiro: produção de óleo leve e em águas profundas.
Uma inovação adotada para esse campo foi a instalação do primeiro sistema flutuante de produção, armazenamento e exportação de óleo redondo do mundo. O projeto tem como objetivo minimizar os efeitos da oscilação das ondas do mar.
A produção no estado de Alagoas é basicamente terrestre, com destaque para a produção de gás. O único campo marítimo da bacia localizado nesse estado é o de Paru.
Em 2012, cinco descobertas em águas ultraprofundas comprovaram o potencial exploratório do litoral sergipano. O plano de desenvolvimento da produção já começa a ser delineado pelos técnicos da companhia.
Conheça as plataformas de produção
Plataformas
 Campo
Tipo
UF
Plataforma de Piranema (FPPRM)
Piranema
Flutuante
SE
Plataforma PCB-01 de Caioba (PCB01)
Caioba
Fixa
SE
Plataforma PCB-02 de Caioba (PCB02)
Caioba
Fixa
SE
Plataforma PCB-03 de Caioba (PCB03)
Caioba
Fixa
SE
Plataforma PCB-04 de Caioba (PCB04)
Caioba
Fixa
SE
Plataforma PCM-01 de Camorim (PCM01)
Camorim
Fixa
SE
Plataforma PCM-02 de Camorim (PCM02)
Camorim
Fixa
SE
Plataforma PCM-03 de Camorim (PCM03)
Camorim
Fixa
SE
Plataforma PCM-04 de Camorim (PCM04)
Camorim
Fixa
SE
Plataforma PCM-05 de Camorim (PCM05)
Camorim
Fixa
SE
Plataforma PCM-06 de Camorim (PCM06)
Camorim
Fixa
SE
Plataforma PCM-07 de Camorim (PCM07)
Camorim
Fixa
SE
Plataforma PCM-08 de Camorim (PCM08)
Camorim
Fixa
SE
Plataforma PCM-09 de Camorim (PCM09)
Camorim
Fixa
SE
Plataforma PCM-10 de Camorim (PCM10)
Camorim
Fixa
SE
Plataforma PDO-01 de Dourado (PDO01)
Dourado
Fixa
SE
Plataforma PDO-02 de Dourado (PDO02)
Dourado
Fixa
SE
Plataforma PDO-03 de Dourado (PDO03)
Dourado
Fixa
SE
Plataforma PGA-01 de Guaricema (PGA01)
Guaricema
Fixa
SE
Plataforma PGA-02 de Guaricema (PGA02)
Guaricema
Fixa
SE
Plataforma PGA-03 de Guaricema (PGA03)
Guaricema
Fixa
SE
Plataforma PGA-05 de Guaricema (PGA05)
Guaricema
Fixa
SE
Plataforma PGA-07 de Guaricema (PGA07)
Guaricema
Fixa
SE
Plataforma PGA-08 de Guaricema (PGA08)
Guaricema
Fixa
SE
Plataforma PRB-01 de Robalo (PRB01)
Salgo
Fixa
SE
 Fonte: PETROBRAS